Nesta terça-feira (10), ocorreu a implantação do Conselho Municipal de Segurança Pública de Colonia Leopoldina. O promotor de Justiça e coordenador do Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Justiça, José Antônio Malta Marques, representou o procurador-geral de Justiça, Alfredo Gaspar de Mendonça Neto, nos eventos, acompanhado pelos promotores de Justiça das Comarcas. O presidente da câmara, vereador Edivan se fez presente, juntamente com demais vereadores, Prefeitos, secretários, representantes das polícias Civil e Militar, da Guarda Municipal, além da sociedade civil organizada participaram das solenidades.

O chefe do CAOP, em seu pronunciamento enfatizou a importância da colaboração das pessoas para que os problemas que mais afligem as comunidades, serem identificados e solucionados com mais celeridade.

“Democratizar é chamar o povo para se comprometer com a segurança pública. É preciso que a sociedade civil tenha consciência de que as polícias não trabalham com bola de cristal, ela tem a obrigação de contribuir. É no Conselho Municipal de Segurança que serão discutidas as problemáticas e a aplicação de políticas públicas.

Além de Malta Marques, o Ministério Público também foi representado pelos promotores de Justiça, Tácito Yuri, Rodrigo Lavor e Paulo Barbosa.

“Estamos imbuídos de implantar em todo estado esse modelo de gestão, porque nos preocupamos com as raízes da violência. Desejo que esse ato tenha repercussão positiva para a cidade porque essa é a verdadeira intenção. Tenho convicção que, da mesma forma que os conselheiros tutelares vêm cumprindo seu papel, os senhores assim o farão”, afirmou o promotor Tácito Yuri.

“O papel do Ministério Público é intermediar, é ser usado como instrumento. Quando o poder público vai combater a criminalidade usa a forma repressiva; a outra forma, é a preventiva, onde se atua para que o crime não ocorra. E ele não vai ocorrer quando a Saúde, a Educação, o saneamento básico, o lazer andarem bem no município, por exemplo. Então, hoje estamos criando mais um órgão para auxiliar, o Conselho de Segurança é o fiscal do povo que estará espalhado e buscando soluções”, ressalta o promotor Rodrigo Lavor.

“Falar em conselho municipal de segurança pública, é falar de vida. Vivemos num cenário de sessenta mil mortes por ano, cerca de uma a cada nove minutos. Vivemos um momento onde muitos querem o enfraquecimento da Justiça e a queda do Ministério Público, enquanto precisamos de medidas mais trágicas no combate ao crime organizado e, para isso, que fortaleçamos os órgãos de segurança. Os senhores terão esse papel importantíssimo”, disse o promotor Paulo Barbosa, dirigindo-se aos conselheiros empossados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

1 × 3 =